Quais Impostos Devem ser Pagos no Início do Ano?

Passados os gastos com as festas de fim de ano, o consumidor inicia o novo ano com uma série de obrigações, como a compra de materiais escolares, o pagamento de seguros e o pagamento dos tributos IPTU e IPVA. Diante de tantas obrigações, é natural que o volume de despesas em janeiro e fevereiro seja maior, o que exige do consumidor o gerenciamento das dívidas para não entrar no vermelho. Assim, para organizar melhor suas contas, a primeira coisa a se fazer é listar todas as despesas fixas ou ocasionais e avaliar quais são prioritárias e a ordem de vencimento de cada uma.

Mas diante de tantos compromissos, surge sempre aquela dúvida: pagar os impostos à vista ou parcelá-los?

Diante de tal pergunta, deparamos um fato: não existe fórmula mágica para evitar o aperto no bolso. No entanto, a decisão de sair do vermelho ou se manter no azul depende do planejamento das contas domésticas e da disciplina em conter gastos supérfluos.

A primeira questão a ser avaliada diante da dúvida sobre pagar o IPVA 2019 Rio de Janeiro à vista ou parcelado é saber se o desconto obtido no pagamento das contas à vista é maior do que o valor que esse dinheiro renderia caso estivesse em alguma aplicação financeira. No entanto, outras situações também devem ser avaliadas. Se o consumidor fez reserva de seus rendimentos e possui o dinheiro, obviamente terá vantagem em pagar os compromissos à vista, aproveitando assim os descontos oferecidos.

Caso o consumidor possua o dinheiro, mas ele esteja aplicado em modalidades como o CDB ou outros fundos, torna-se necessário realizar cálculos para avaliar se o desconto do pagamento à vista valerá a pena.

Já para o caso dos consumidores que não possuem dinheiro guardado ou que não tenham o valor total para pagar à vista seus impostos, torna-se necessário maior planejamento financeiro. Neste caso, como não possui dinheiro para tal finalidade, o consumidor, obviamente, pagará seus impostos a prazo, portanto, as parcelas deverão entrar no orçamento mensal. O consumidor também deverá ficar atento ao vencimento das parcelas, tendo em vista que o atraso incorrerá no pagamento de juros.

Como podemos observar, a melhor opção é aquela que atende melhor a realidade financeira em que se encontra o consumidor. Porém, a dica para fugir do aperto é: nos próximos anos, separe um determinado valor todos os meses para ter condições de pagar os impostos à vista no início do ano. Com o dinheiro separado ao longo do ano para essa finalidade, o consumidor não terá preocupações e nem dores de cabeça com os impostos.

Continue Reading